terça-feira, 1 de fevereiro de 2022

A Boneca

 Hoje é um dos Lares da Terceira Idade que existe em Montemor-o-Velho, mas há uns anos era um hospital, e o seu nome  Hospital de Nossa Senhora de Campos. Era um óptimo edifício com boas instalações para a época, com enfermarias arejadas e bem iluminadas pela luz do sol, e no seu interior albergava o necessário para o fim a que era destinado, devolver a saúde a quem se via privado desse bem. E eram muitas as pessoas que por ali passavam. O Sr. Dr. Afonso mandava-as para o hospital porque ali ele as observava todos os dias, quando pela manhã ia ao hospital com esse fim. E outras morriam, mas ele também sabia que ali tinham carinho e amparo até aos últimos momentos, proporcionados pelas Irmãs de Caridade duma Ordem Religiosa que ali habitavam em semi-clausura e que, dia e noite cuidavam dos doentes, só pelo amor a Deus.        Algumas nunca esquecidas, a Irmã Maria de Jesus, um tanto mais tarde a Irmã Nazaré e outras que deixaram saudades.Eram as Irmãzinhas... Faziam serviço de enfermagem porque eram enfermeiras, mas também eram elas que piedosamente fechavam os olhos e vestiam os que ali terminavam os seus dias, e depois rezavam em sua memória.  

Numa cama das enfermarias mais pequenas, estava alguém, não sei a idade, era uma menina, era uma rapariga, não sei. Só avaliei a idade, quando anos mais tarde lhe vi aparecer entre o cabelo brilhante e escuro, alguns cabelos brancos.    
Foi uma criança que nasceu altamente deformada, permanecia encolhida na cama, rastejava mas nem sequer de joelhos. A voz também tinha um timbre estranho, e presumo que teve mentalidade infantil até muito tarde. Como todas as crianças era alegre, conhecia toda a gente e a todos chamava pelos nomes e bem alto.
Dizia-se que era de família pobre e natural de Tentúgal, a mesma naturalidade do Sr. Dr. Afonso. Ele terá conhecido os pormenores, e conduído "trouxe-a" para o hospital. As Irmãzinhas a acarinharam, cuidaram dela, ensinaram-lhe o que puderam, e ali foi a sua casa para sempre. Era a  Ermelinda! Toda a gente a mimava, se nem sempre com algo material, mas uma palavra, uma festinha nunca falhava.
Eu vi a Ermelinda porque a minha avó foi para o hospital em perigo de vida, e ficou numa cama ao lado da cama dela. Eu era miúda, teria quase seis anos, e quando a minha avó melhorou, a minha mãe levou-me com ela numa das visitas. Eu tinha uma boneca com cabeça de loiça, com cabelo natural e olhos que abriam e fechavam, e um vestido de sêda amarela. Eu adorei aquela boneca quando abri a caixa que o meu pai me entregou, na volta duma ida a Coimbra.
Entendi que a devia levar para mostrar à minha avó, e a minha mãe não achou mal. Quando me aproximei das camas, a Ermelinda deu um grito muito alto, de contente, e pediu para agarrar a boneca. Os seus lindos olhos negros brilharam de alegria ao pegar na boneca, que de boa vontade eu lhe coloquei nas mãos e deixei-a ficar com ela durante o tempo da visita.  O pior veio depois, para ela ma devolver... lágrimas, gritos, agarrada à boneca, e a Irmãzinha a falar-lhe, a tentar fazê-la compreender, o que era difícil, talvez até impossível, digo eu agora. Entretanto, já não era só ela que chorava...     
E eu embora criança também senti pena dela, mas a boneca era minha e eu queria trazê-la, e trouxe.
Há noite contei ao meu pai com todos os pormenores o que tinha acontecido, e disse logo que nunca mais levava a boneca quando voltásse ao hospital. 
O meu pai respondeu com um conselho, que no caso dele, era uma ordem: 
- quando voltares ao hospital, levas a boneca para a dares à Ermelinda. 
Foi a minha vez de chorar, e de manifestar a minha recusa, então se eu gostava tanto dela...
Ele argumentou de modo a que eu, também criança, entendêsse sobre a vida daquela menina, e eu deixei de chorar.
-Ele continuou, ela precisa da boneca e tu vais levar-lha e eu compro-te outra. 
Então porque não lhe dou essa que me vai comprar? dou-lhe essa, pronto.
- Não, porque ela só conhece esta, e é desta que ela gosta, e tu vais ficar contente por lha oferecer! Tenho a certeza.
E assim foi na verdade, tudo como o meu pai me havia dito. Fomos ao hospital, dei um beijinho à boneca, e a sorrir coloquei-a nas mãos da Ermelinda dizendo bem alto, toma! é para ti. E fiquei contente por a deixar para ela.  
Desta vez, lágrimas? Só nos olhos das Irmãzinhas, mas desta vez de alegria.

3 comentários:

Jair Rodrigues disse...

SAUDADE MINHA AMIGA DILITA, MINHA PARENTE PORTUGUESA COM CERTEZA.

dilita disse...

Muito obrigada querido amigo Jair meu parente brasileiro.
Saudades, sim, dos blogueiros que formavam o nosso grupo. E com ele o Jair, recordos os seus textos, a sua estima por mim, os seus mimos relativamente ao que eu escrevia.A troca de opiniões, creia sinto essa falta.
Mas hoje gostei da surprêsa de "aparecer" por aqui. Volte sempre, e escreva, escreva, porque estamos (estou) sempre à espera.
Dixei resposta no seu email.
Abraço forte, com desejos de bem estar.

شركة تنظيف بالدمام disse...


الخدمات المنزلية بمدينة القطيف

شركة تنظيف منازل بالقطيف
شركة تنظيف سجاد بالقطيف
شركة تنظيف خزانات بالقطيف
شركة تنظيف فلل بالقطيف
شركة تنظيف شقق بالقطيف
شركة تنظيف مجالس بالقطيف
شركة مكافحة حشرات بالقطيف
شركة مكافحة الحمام بالقطيف
شركة مكافحة النمل الابيض بالقطيف
شركة تسليك مجارى بالقطيف