terça-feira, 26 de janeiro de 2010

O Museu dos Fósforos! Vá ver,vai gostar...

Num daqueles passeios ao Domingo há alguns anos atrás, fomos até à cidade de Tomar.Estivemos no parque,onde é agradável passear especialmente no verão, também visitámos a Igreja principal com o seu belo pórtico de pedra rendilhada, apreciámos a praça onde se situa,e claro não se deixa esta cidade sem visitar o grandioso Convento de Cristo,mais própriamente parte dele. Ver e rever aquela janela da sala do capítulo,valiosa peça de arte manuelina,o exlibris da bela cidade do Nabão é imprescindivel.
Mas havia algo que eu ignorava;a existência nesta cidade, dum Museu que é único em Portugal,o Museu dos Fósforos.Concretamente Museu Aquiles da Mota Lima seu criador e fundador.E digo criador, pois ele próprio custeou a maior parte dos fósforos que ali se encontram. Alguns foram adquiridos em países estrangeiros,para onde por vezes viajava.Estão ali fósforos de 104 países,portanto muitas colecções estrangeiras e nacionais.Conhecemos a filha deste senhor,que ao tempo já tinha falecido,e era ela que naquela altura preenchia o lugar dele,e recebia os visitantes com uma cordialidade e simpatia,que nos fazia desejar que o tempo parásse,para podermos (sem pressa da nossa parte) observar em pormenor todo o potêncial ali exitente.Ali encontramos memórias,em nós arrumadas ou quase esquecidas,e como soe dizer-se”recordar é viver!” Até prometemos voltar...
Muito perto da entrada, sobre uma estante estava uma moldura... não era uma tela,nem tão pouco uma fotografia ou ilustração,mas sim poesia.Uma graça,eu direi um mimo, dum amigo da familia.

O FÓSFORO

Um fósforo! Tão frágil e pequeno
Na sua caixa de madeira fina!
Pode a sua cabeça ser veneno,
Como pode servir de medicina.

Saindo do seu sono mais sereno,
Acorda em chama que nos ilumina
Dentro da noite é como o claro aceno
De uma estrelinha trémula e divina.

Chega um só fósforo para pôr a arder
Uma floresta em que lateja a vida
Ou uma seara donde o pão nos vem.

Mas também basta um fósforo acender
Para achar uma pérola perdida
E ver o céu no olhar da nossa Mãe.

(Monsenhor Moreira das Neves)
(1980)

3 comentários:

belinha disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

boa noite...... eu sou o luis . e sou de tomar . por isso .quem nao foi a tomar e ao museu dos fosforos ..quem vam . se nao forem o problema e vosso . agora nao v para qui dizer mal do museu . ta .. icultos ... e ja agora se querem apreder mais um pouco passem pelo castelo ta . e f se aprender alguma historia de portugaul onde vivim ta.......... burros

dilita disse...

Caro anónimo que se apresenta como sendo Luis

Leu bem o que eu escrevi sobre Tomar,e mais própriamente acerca do Museu dos Fósforos?
Confesso que não o entendo...
Dília Maria
(Dilita)