terça-feira, 18 de agosto de 2009

As minhas dúvidas


Quando iniciei este blogue,eu disse que ia "falar" de Montemor,das minhas birras,das muitas manias que arrasto,enfim do que me viesse à ideia,e realmente assim aconteceu,mas actualmente só tenho visitado outros blogues,"botando palavra" ás vezes,e assim tem passado o tempo. Também o último livro que adquiri me tem aprisionado aos serões.Contra o habitual,pois gosto de ler devagar,este tem sido consumido como se se tratásse dum vício. Foi a primeira vez que li Paulo Coelho,e fiquei cliente... Tinha acabado de ler uma colecção ( Mestres Espirituais) e embora a tivesse apreciado,ao começar a ler A Bruxa de Portobello que é romance,foi como uma brisa fresca depois duma tarde quente... Eu li aqueles quatro livros,ou melhor,eu estudei-os;li e reli,porque ainda ando à deriva quanto á perspectiva da vida eterna. E pergunto-me, mas imortalidade para quê? Não é muito mais lógico e tranquilizador,o sono do qual não se acorda? Eu tive educação religiosa,mas com o passar dos anos surgiram as dúvidas,as perguntas sem resposta (estes livros também não me ajudaram) porque a fé não se pode explicar, sente-a quem a tem...

12 comentários:

real republica disse...

...água das fontes calai...óh ribeiras chorai...que eu não volto a cantar!!!

Anónimo disse...

As pessoas acreditam no que que mais lhes convém.Há quem não precise de acreditar em nada e está perfeitamente tranquilo.Há quem precise de ser confortado por uma vida a seguir à vida mesmo que não consiga perceber como ela será.Eu acho que isso é fruto da insatisfação humana.As pessoas querem sempre mais,nunca estão satisfeitas.Outras têm medo do desconhecido e precisam de algo que as tranquilize,é aí que entra a religião.Mas a religião tem aspectos muito tristes, o mau uso que os homens fizeram dela desde as perseguições aos cristãos, ou as cruzadas que foram chacinas com a justificação da fé e da protecção dos lugares santos do "infiel", ou a Santa Inquisição.Em Inglaterra, com a separação da igreja de Roma, mais divisões e perseguições em nome da religião. Actualmente, a religião fanática tornou-se um instrumento terrorista.Religiões sempre houve e sempre vão existir e até se vão criando novas.É assim mesmo.Agora se é melhor viver para sempre de uma forma que ninguém imagina ou dormir para sempre,eu acho que é igual,é tudo ausência de consciência de qualquer forma,ou seja, paz.

Anónimo disse...

Texto retirado de http://fernandosilva.multiply.com/journal/item/32/32
porque expressa o que penso,sou preguiçoso, e esta questão já tem barbas e não leva a lado algum discuti-la...o anónimo do Seixal.

"Talvez seja injusto se atacarem as religiões em si pelos erros de alguns de seus seguidores. Talvez devamos nos concentrar apenas nas supostas coisas boas que elas produzem.

Por outro lado, se a maioria das religiões promete um mundo de paz e amor, seus bons resultados não deveriam causar espanto e sim o fato de que, em tantos casos, o resultado é o oposto.

Quem sabe, o objetivo está além de nossa capacidade, apesar de nossas boas intenções, mas o que se vê com frequência é que a intolerância e a violência acontecem justamente em nome da religião - e não apesar dela.

É bem possível que as pessoas sejam boas ou más por sua índole e o seriam de qualquer modo, independente de terem uma religião e do que ela diz.

Entretanto, já se disse que "pessoas boas fazem coisas boas, pessoas más fazem coisas más, mas é preciso uma religião para que pessoas boas façam coisas más". Podemos ainda acrescentar que, por serem contraditórias e sujeitas a interpretação, em muitos casos servem para legitimar injustiças e barbaridades, que têm que ser aceitas como "a vontade de Deus".

A verdade é que as religiões não são apenas um monte de mandamentos do tipo "Amai-vos uns aos outros". Elas contêm ameaças terríveis feitas por seus deuses aos que não as seguem e aconselham seus seguidores a, no mínimo, tentar converter os outros e se afastar de quem resiste à sua pregação.

Além disto, ao exigir a aceitação de dogmas apenas pela fé, sem provas, induzem as pessoas a desligar seu pensamento crítico e abrem as portas à aceitação de qualquer absurdo, o que só é limitado pelo bom senso e pelo senso ético de cada indivíduo.

Será que não seria melhor ter a moral das religiões que não ter nenhuma? Sim, mas isto equivale a ser melhor comer porcarias que morrer de fome. As religiões certamente incorporam alguns valores universais, mas os corrompem com imposições e dogmas absurdos, como a exigência do não questionamento."

Amordemadrugada disse...

exactamente Dilita
Cada pessoa sente de maneira diferente...como é óbvio!
Adormecer e nao acordar! Soa bem! Se a paz for seguindo esse sono eterno..
bom fim de semana kerida
besito em teu coraçao

Anónimo disse...

Ignorar alguem é um ato de pouca fé,digamos mesmo de má fé.
Julgar alguem antecipadamente é um ato de limitação inteletual.
Viver na dúvida é falta de personalidade.
Sendo assim,olhe para dentro de si e procure respostas feitas por si.
Não julgue ninguem antecipadamente.
Não se cole ao diz que disse.
Que deus lhe perdõe,pois por mim não terá esse perdão por me ter ignorado.
Quando me voltar a ver não me fale.
E se o fizer,agora vou responder-lhe de forma cínica e ipócrita.
Sabe uma coisa.
Vale mais não e siga o seu caminho.

Olímpio disse...

Sou crente na mensagem de Cristo,pois o bem dá alegria e o odio origina a pior das emoções.Mas esta linguagem deixa-me descrente .Um cristão sente a sua imperfeição e está sempre disposto a compreender o outro e fala sempre ,até com os ateus,porque é forte na sua fé.Depois quando me voltar a ver não me fale,meu Deus,vamos todos falar em conjunto e a cada um o seu sentir.Sim...a igreja está cheia de crimes e é verdade,mas foi o SENHOR ,que empurrou os homens para essa tragedia,claro que não.Em nome DELE os homens perderam-se no mal e será sempre assim até ao fim da vida de cada um.Não tenho no meu consciente a palavra cinico ou hipócrita,prefiro dar o exemplo da transparência e da lealdade,cultivando a tolerãncia comigo e com os outros,compreendendo o drama daqueles que não podem amar,porque não são capazes de se amar a si proprios.Sejamos pois tolerantes e venham conversar em nome da verdadeira fraternidade.

dilita disse...

Fez bem em comentar Sr.anónimo.Penso que transcreveu esta "série" de frases de algures,tentando fazer alusão ao que escrevi.Permita-me que lhe diga que não foi muito feliz na escolha... Eu fiz uma confissão,o sr.demonstrando pouco tacto,de dedo em riste aponta,categórico...Já viu que quando aponta,com um só dedo,tem quatro a apontar para si ?

dilita disse...

Agradecimentos aos visitantes anteriores (de 18/8 e 19/8).Para Amordemadrugada,retribuo beijinho.

dilita disse...

Ó Sr.Anónimo (de 26/8)eu fiz confusão.Quando o Sr.aponta,não são quatro os dedos que o apontam a si,são apenas três;"convenhamos que mesmo assim é um número razoável... "mil perdões por este lapso"!

Anónimo disse...

Transcrevi?
Obrigado pelo elogio.

Anónimo disse...

Tinha que a "provocar"(com o devido respeito...) para ver se acreditava mesmo nas minhas palavras.
Tinha que lhe fazer o coração subir à boca,para me dizer a verdade pura e simples.
Tinha que a testar para a conhecer melhor.
Tinha que dar tempo para a ver ter reações inseguras e magoadas,por falta de uma referência determinada para responder...
É verdade, e até nunca tinha pensado nisso:

.Quando apontamos só três dedos apontam para nós.
Háháháhá,gostei.

Eu não respondi à mais tempo para ganhar tempo e assim sei que estava certo,o OLÍMPIO é um bom ser humano e adora a DILITA,por isso a defendeu com o sentido protetor que já esperava.
A Dilita é uma jóia de senhora,mas tem defeitos como todos.
Quanto a mim,reconheço que tenho dificuldades em amar-me a mim próprio,tudo porque tenho uma vida de verdade,e inflizmente nesse mesmo extremo existem outros que têm uma vida de mentira.
Assim a mentira mistura-se com a verdade e a dúvida instala-se a seu belo prazer...
Quanto aquelas "frases" que diz que copiei de algum lado.
Bem, volto a agradecer o elogio...
Olhe Dilita,eu estava mesmo a "testar" a sua personalidade,no intuito de saber o que pensa de mim...
Não que me preocupe,mas por ser tão boa senhora fiquei com curiosidade de de lhe conhecer a outra face..."Quando a criticam...".
Claro que aproveitei aquele cumprimento que me fez menos "expressivo",como base deste meu "trabalho"...
Agora sou eu que lhe peço desculpa pelo abuso,e acredite que em mim a amizade nunca acaba...
Em mim o ódio não tem lugar...
Em mim há sempre uma oportunidade de reiniciar um relacionamento...
Se ouver sempre humildade á mão,reconhecemos os nossos percalços,e de seguida crescemos na nossa dimensão de vida...
Pronto já sei, não vai acreditar nestas "frases" ou melhor acredita mas não são minhas!!!...
Pronto já que não acredita vou assobiar um bocado para a janela....

Respeitosos cumprimentos(sem ipocrisia...)

Tinha esquecido,não sei ser ipócrita..
Ora aí está um "defeito"(!!!) que me tem feito tão mal na vida...

(caro olímpio não fique zangado...
não me telefone que eu não atendo..)

Ó dªDilita quem a mandou vir para a net...
Depois aparecem estes malucos como eu armados em chico espertos...tá ver...
Olhe não tinha nada pa fazer...
Toca de a chatear,...desculpe lá tá bem...

É verdade... à Ganda Benfica...8-1!!heeheh..

O Comendador
(heeheheh...o Olímpio já desconfiava....só podia ser este chato deste gajo...)

Anónimo disse...

Sim,sim..Não sou normal..