terça-feira, 9 de outubro de 2012

"Porque a beleza é fugidía, como a aurora...

"Quem te viu, e quem te vê..." Apetece-me dizer, depois de reparar na fotografia da postagem anterior, onde estamos eu e o meu marido ladeando o frade. O tempo ao passar contribui progressivamente para a ascenção, para a beleza, que tem um espaço de alguns anos, e depois, de igual modo ajuda ao apagar dos atributos inerentes. Tudo o que nasce vem com o mesmo designio, quer seja plantas, animais, ou pessoas; crescer, florescer,multiplicar-se e envelhecer. Depois vem o acabar, mas isso não é para falar agora.
Bem, mas nós ainda cá estamos (por ora) apesar de já muito para além do florescer, essa etapa linda da vida, da qual já usufruimos.
Mas voltando ao inicio, e á fotografia feita em Almeirim junto ao monumento que perpetua a história da sopa da pedra : - o meu marido ainda se apresenta mais forte do que o frade, apesar de nesta altura o frade já ter comido a sopa toda, visto que a panela estava vazia. Eu vi!




Mas ele não foi sempre assim grandalhão em largura. Para provar a minha afirmação,visto que sou suspeita,coloquei esta foto,que é uma recordação.
- E depois digam lá se eu não tive bom gosto na escolha...


4 comentários:

Ivone Poemas disse...

Com certeza tivestes um bom gosto!
Quem linda união, eu também tenho uma boa recordação e orgulho da beleza do meu marido quando jovem,ainda belo em seus 64 anos, até digo a ele que está sempre bem e bonito!
Que belo texto amiga, que prazer saber que tens essas lindas coisas a nos dizer, pois viver é lindo, não importa em que fase, temos todas e se vivemos bem todas é o que importa!
Abraços e beijos em seu lindo coração!

dilita disse...

Olá Ivone querida.
Grata pelo que escreveste para mim.
Eu ainda tenho alegria e gósto de gracejar... Que importa se já não somos como fomos? O que importa é estarmos!!!
(agora na ternura dos setenta)
(setenta e...)
Beijinnhos amiga, e volte sempre, eu espero.

Lilasesazuis disse...

Nossa, mas como seu esposo era "guapo" na juventude!!

Dilita, querida, você teve bom gosto sim!!

Aposto que hoje, ele é um companheirão sempre presente ao seu lado, com demonstrações de amor e carinho!!

beijinhos,

Lígia (ai...somente hoje que eu estou me sentindo muito bem!!! já passou, Graças a Deus os dias de dores...)

dilita disse...

Olá Ligia amiga!

Era bonitão mesmo.Em Lisboa as colegas de trabalho chamavam-lhe
O Santo; era um personagem duma série assim intitulada, interpretada pelo actor Roger Moure. Diziam elas que eles eram parecidos. A sua Mamã deve lembrar-se desta série passada na T.V.
Beijinhos.