quinta-feira, 10 de maio de 2012

Mês de Maio,deixei de gostar de ti

Foi na escola durante a instrução primária ( assim se chamava o actual ensino básico) que a professora nos ensinou durante uma aula da 1ª classe, que o mês de Maio era o mês das rosas.
Também era a altura em que muitas outras flores desabrochavam, não só nos jardins como também nos campos e montes.
Flores expontâneas, milagres da Natureza; os malmequeres amarelos, as papoilas vermelho vivo, os lirios do pasto, réplica singela dos tão apreciados gladíolos.Era de facto o mês das flores. Mais tarde percebi que para a maioria das pessoas, o mês de Maio tinha caracteristicas diferentes além das flores, era também o mês de Maria, e todos os dias à noitinha havia na Igreja uma celebração religiosa, em honra da mãe de Cristo, a Virgem Maria. Rezava-se o terço, e um grupo coral feminino que na altura existia, estava sempre presente com os seus canticos que aos fieis encantava. Era igualmente neste mês que se ia em passeio apanhar o ramo da Hora, na Quinta-Feira da Ascenção, (dia da espiga) constituido por espigas de trigo, de cevada, papoilas, malmequeres e flores de sabugueiro, as perfumadas Maias. Guardava-se este ramo, e quando o relampago cortava os céus e o trovão ribombava medonho e assustador, queimavam-se nas brasas acêsas algumas destas plantas então já secas, com a certeza de que a trovoada amainava, e passava sem causar dano. Também era neste mês que se rumava a Fátima no dia 13 como actualmente se faz, mas talvez com mais recato.
Eu também gostei do mês de Maio durante muitos anos, mas nada é eterno, e este mês que para mim foi lindo durante tanto tempo, mudou, e passou a marcar datas de factos tristes e inesqueciveis. Foi neste mês que vi partir para sempre, algumas das amigas de quem recebi muita estima; na familia também a minha sogra, e até o meu sogro alguns anos antes, faleceu igualmente em Maio, tinha eu então 21 anos, mas nem sequer sonhava que viria a entrar na sua familia.Recordo aquele homem de ar um tanto austero, de andar apressado, sem sorrisos, mas respeitado e respeitador, que levava a mão ao chapéu quando eu o cumprimentava. Como tudo o que podia ter sido e não foi, mais tarde quando entrei na familia Fernandes, lamentei a sua ausência e tive pena, embora nunca tivesse conversado com ele.
Dentro de alguns dias, o calendário vai indicar-me que passaram cinco anos sobre mais um dia triste, que ainda não esqueci nem esquecerei. É uma frase feita, eu sei, mas de facto eu fiquei mais pobre, ao perder a minha mãe.Fiquei; perdi muito de mim e nunca mais fui a mesma.Julgava-me forte, e fui até certo ponto, mas aquele espinho que se chama luto no coração, cravou-se fundo, e eu o acolhi sem reserva por tempo indeterminado. Queria recordá-la aqui, lembrar tanta coisa, mas não consigo, nem sei como começar.
Prefiro colocar a sua fotografia. E reparar como a minha mãe era bonita, aos 31 anos. 

É também uma recordação dum passeio à Figueira, no dia do meu nono aniversário.

13 comentários:

tétisq disse...

Uma fotografia muito bonita...
O Maio ainda lhe pode certamente trazer coisas muito bonitas e recordações doces...dê-lhe mais uma oportunidade.

Eloah disse...

Querida bela homenagem.Esta foto está demais!Também já perdi a minha, mas festejo este dia por ela, por mim e por meus filhos.
Deixo aqui meu carinho e meu desejo de um Feliz Dias das Mães.Bjs Eloah

manuel marques disse...

Lindíssima homenagem.

Abraço e bom fim de semana.

as-nunes disse...

Estou consigo, dilita, não será grande o alívio com toda a certeza, mas não podia deixar de a vir cumprimentar, tão elogiosa tem sido a sua presença no meu blogue.

Este tema é muito forte, a vida é cheia de ocorrências, mas estas, o desaparecimento físico de entes que nos são próximos e queridos são as mais difíceis e dolorosas. E demoram a sarar, quando saram.

Beijinho de solidariedade, obrigado pelas suas palavras, tão simpáticas,

António Nunes

Lilasesazuis disse...

Minha amiga querida...as ausências dessa vida, nos doem na alma...e Deus vem atrás, consolando, dando forças...e só ele para estar pertinho sempre de nós!!!

Ai, que linda a menina Dilita ao lado da bela mãezinha...bonita homenagem, linda lembrança...

beijinhos, te gosto muito!!

Lígia ♫✿♫"*•♪ღ♪

dilita disse...

Obrigada Tetisq.
É já um pouco tarde...
Beijinhos.

dilita disse...

Querida Eloah

Grata pelas palavras amigas e pela estima que me dedica.
Beijinhos.

dilita disse...

Caro Sr. Manuel Marques

O meu obrigada pela vinda ao meu Birras.
Agradeço e retribuo abraço.
Volte sempre.

dilita disse...

Sr. Nunes

Muito, muito grata pela visita, e pelas palavras tão certas e tão carinhosas que me deixou.
Um abraço,
e mais uma vez, obrigada.
Dília Maria

dilita disse...

Amiguinha Ligia

Gostei de "vê-la" de novo no meu blog. E também do que deixou escrito para mim. Obrigada pela sua ternura.
Beijinho.

Patrícia disse...

Oi Dilita qta emoção aqui na postagem, lindo!
Amiga quero te convidar a ir participar do sorteio que vai começar no sabado no meu blog, te aguardo! Bjkas boa semana

Patrícia disse...

Oi Dilita, não esquente com o que vc considerou erro no comentário,nem dá pra perceber, e aliás acontece com todos kkkkkk comigo acontece de montão. O sorteio começa no sábado, fique com Deus,bjs e boa sexta pra vc.

Graça Sampaio disse...

Recordações tristes. Todos as temos, querida! Mas o mês/os meses não tem culpa nenhuma!

Beijinho.